Top

Esta última semana estamos correndo para cima e para baixo acompanhando o andamento de todos os nossos projetos, e depois que a Ca escreveu sobre o papel de um arquiteto – veja aqui – decidi colocar uma lupa em um dos pontos mais críticos (e temidos) de todo o processo de se mudar ou comprar um imóvel novo: a obra!

Resumi em um passo-a-passo todas as fases para tirar as dúvidas sobre como planejar uma obra de um apartamento padrão sem dores de cabeça. Vamos lá?

 

Antes de tudo, o primeiro passo é o projeto. É a etapa mais importante de todas. Pode parecer que estou puxando sardinha para o nosso lado, mas é verdade. O projeto é a base de tudo, é o seu guia e seu melhor amigo durante o processo, é o que vai garantir que sua obra vai fluir como planejado.

É nessa fase de projeto onde o arquiteto vai também entregar uma planilha de custos de obra para você conseguir se organizar (planejamento é tudo nessa vida) e também onde ele poderá emitir a RRT (Registro de Responsabilidade Técnica) – documento exigido pelos prédios e condomínios para liberar a execução de uma obra.

 

Tendo tudo isso em mãos, é hora de começar e partir para o segundo passo: o inicio efetivo da sua obra. As demolições. É nessa hora que tudo o que você não gosta ou quer mudar sai de cena. Os revestimentos feios, bancadas quebradas, paredes que não fazem sentido para o projeto, abertura de vãos, nichos para os banheiros – tudo que gera entulho vai embora nessa hora. Todos os cortes nas paredes para mudanças de elétricas, hidráulica e ar condicionado acontecem agora também.

 

Terminado o quebra-quebra, é hora de passar para o terceiro passo, a construção. Agora é a hora em que a obra começa a tomar um pouco mais de forma e as partes de alvenaria começam a ser construídas, a estrutura das paredes de dry-wall estão sendo montadas e as infras de elétrica, iluminação e ar condicionado estão sendo passadas na obra – conduítes de distribuição começam a aparecer, bases recuadas estão sendo executadas e você já consegue enxergar melhor como tudo vai ficar.

 

No quarto passo, damos início aos acabamentos mais finos e é onde a parte civil realmente começa. É aqui que vamos requadrar (colocar no esquadro e deixar retinho) tudo que a fase dois quebrou e onde iniciamos a colocação dos forros de gesso nas áreas onde não teremos revestimentos até o teto – geralmente as áreas sociais.

 

Com tudo no esquadro, paredes de dry wall finalizadas e ambientes preparados, podemos iniciar ao quinto passo. Começamos, então, a colocação dos revestimentos nas áreas molhadas (e onde mais estiver previsto em projeto). Nessa fase já podemos iniciar também as primeiras demãos de massa e pintura onde não teremos revestimentos.

 

Depois de colocados todos os revestimentos nas paredes, iniciamos o sexto passo: a continuação do forro de gesso e a instalação das peças da marmoraria. A instalação do forro de gesso precisa mesmo acontecer em duas etapas. Assim conseguimos garantir o bom andamento da obra (adiantando as áreas sociais), e o bom acabamento (quando instalamos o gesso primeiro, e depois os revestimentos, a chance de ficar feio e mal acabado é muito maior). Sobre as peças de marmoraria, elas acabam entrando nessa fase para garantir o bom acabamento na instalação. Se instalássemos as bancadas antes do revestimento as peças ficaríam ”pra dentro do revestimento” e o resultado estético disso não é bacana.

 

Nesta etapa da obra já temos tudo encaminhado, e podemos iniciar o sétimo passo com a furação da iluminação no forro de gesso, a segunda demão de pintura – nas paredes e forro – e aplicando o rejunte nos revestimentos que agora já estão secos e assentados em seus devidos lugares. Importante notar que nessa etapa apenas vamos cortar os buracos das luminárias no forro e não instalar as mesmas. Fazemos isso, pois ainda é uma etapa bem suja de obra e vamos precisar dar a última demão de pintura em paredes e forros e não queremos correr o risco de sujar e/ou danificar as peças novinhas de iluminação que foram compradas.

 

No oitavo passo entramos (finalmente) com o piso em obra. Ele é, diferente do que muitas pessoas pensam, uma das últimas coisas a entrar na obra. Para esta etapa estamos considerando pisos vinílicos e/ou pré-prontos de madeira. Se, por acaso, o piso especificado em projeto for frio ou de madeira maciça, é preciso instalar durante o quinto passo, junto com os revestimentos, e então, separar o oitavo passo para a raspagem da madeira.

 

Com o piso colocado, podemos entrar nas etapas finais de obra: a instalação da marcenaria e colocação de louças e metais. Este é o nono passo. É hora de agendar a entrega com o marceneiro e finalizar com a colocação dos acabamentos hidráulicos. Importante lembrar que para este cronograma funcionar, a marcenaria deve ter sido medida e iniciada lá no começo, logo após a construção e requadração de todas as paredes (terceiro e quarto passo). Legal avisar também que um pouco antes dessa etapa (9) se iniciar, os eletros que impactam na montagem da marcenaria (como forno ou microondas embutidos, por exemplo) devem ser comprados e entregues em obra para os devidos recortes do marceneiro.

 

Depois da marcenaria instalada, iniciamos o décimo e último passo: a finalização. Aqui vamos instalar o rodapé (se for de porcelanato instalar na fase cinco mesmo), dar a última demão de pintura e instalar todos os acabamentos de elétrica e iluminação. Sempre gostamos de deixar a pintura como uma das últimas coisas a serem feitas, pois a fase de instalação de marcenaria acaba muitas vezes machucando as paredes e dessa forma conseguimos corrigir antes da obra acabar.

 

UFA! Em seguida é só programar uma limpeza pesada pós obra, entrega dos móveis, agendar a mudança e curtir o apartamento novo.

 

É claro que de obra para obra costumam ter particularidades, e não necessariamente, esta é a única ou melhor forma de se executar uma obra. Por isso o acompanhamento de um profissional da área é tão importante nesse processo, só assim você terá a garantia de uma boa execução, cronograma e fidelidade ao projeto. Mas entender estes 10 passos é um bom início, não é?

Com os passos explicadinhos fica bem menos assustador encarar uma obra (até as mais radicais).

 

Espero ter ajudado de alguma forma! E bora reformar?

 

xxx